CAM, SCR, DVDRip, R5, TC, TS, MKV, XDiv, etc?

Siglas Vídeos Digitais: Asian Silvers, PDVD, AVC, H.264, Blu-ray, CAM, CVD, DivX, XviD, DivX Re-Enc, DVD-R, DVDRip, DVDscr, MKV, MiniDVD, R5, SCR, SVCD, TC, TS, TVRip, VCD, VHSRip, x264, XVCD, XSVCD, Watermarks, WP

Siglas Vídeos Digitais

Provavelmente, você já se deparou com diversas siglas associadas aos vídeos digitais, algumas siglas inclusive informam a origem e qualidade esperada, veja abaixo as mais comuns, organizadas em ordem alfabética:

Asian Silvers / PDVD

Estes são filmes lançados por contrabandistas orientais, e são comprados por alguns grupos que vendem como se fosse a sua própria marca. Silvers são muito baratos e amplamente disponíveis no Brasil. PDVD siginifica “Pirated DVD”, ou DVD pirata.

AVC/H.264

MPEG-4 Part 10, também conhecido como MPEG-4 AVC (Advanced Video Coding), é definido em um par idêntico de padrões mantidos por diferentes organizações, que juntos são conhecidos como a Joint Video Team (JVT). Enquanto MPEG-4 Part 10 é um padrão ISO/IEC, foi desenvolvido em cooperação com a IUT, uma organização fortemente envolvido nos padrões de transmissão de televisão. Desde a designação da IUT, para o padrão H.264 , você pode ver video MPEG-4 Parte 10 referido como AVC ou H.264. Ambos são válidos, e referem-se ao mesmo padrão.

Blu-ray

Blu-ray é um nome para um padrão de discos ópticos que usa laser azul-violeta em vez de laser vermelho usado em CDs e DVDs. Isto permite aos fabricantes armazenar mais dados usando a mesma quantidade de superfície do disco.
Um disco Blu-Ray pode armazenar aproximadamente 25GB de dados (em comparação com 4.36GB em DVD normal) de um lado/camada do disco e 50GB em um disco de dupla camada.

CAM

O CAM é uma cópia de cinema, normalmente feito com uma câmera de vídeo digital. Em alguns casos são utilizados mini tripés, mas na maioria das vezes isso não é possível, deixando a filmagem tremida. Os acentos a frente e centrais nem sempre estão vazios assim a filmagem pode ser angulada, pode ser feitos cortes para reduzir este efeito angular, ficam quase imperceptíveis, quando não tem textos na tela, mas muitas vezes estes são deixados com bordas pretas na parte superior e inferior da tela
O som é gravado com o microfone embutido da câmera e, especialmente em comédias, risadas são ouvidas durante o filme.
Devido a estes fatores a qualidade de imagem e som são geralmente muito ruins, mas às vezes, o cinema pode estar quase vazio, sem cabeças passeando e um sinal bastante claro pode ser ouvido.

CVD

CVD é uma combinação dos formatos VCD e SVCD, e geralmente é suportada pela maioria dos leitores de DVD. Ele suporta MPEG2 e taxas de bits de SVCD, mas usa uma resolução de 352 × 480 (NTSC) devido a resolução horizontal ser, em geral, menos importante.

DivX/XviD

XviD e DivX são os formatos mais comumente utilizados para codificar vídeos.
DivX costumava ser o mais popular, até que passou de código aberto para uma empresa que comprou os direitos e começou a cobrar por ele, o que gerou a migração para o formato XviD, não só porque é open source, mas também porque ele é superior em muitos aspectos.
Muitos dos aparelhos domésticos de DVD e BluRay lançados são capazes de reproduzir filmes em DivX / XviD (mesmo em CDRs), o que tornou esta a forma mais popular de codificação. A maioria das cópias XviD / DivX são obtidas a partir de DVDs, e são geralmente em tão boa qualidade quanto possível.
Os filmes codificados em DivX devem rodar nos aparelhos em geral e os em XviDs também, mas pode haver excessões, veja as expecificações de seu aparelho!

DivX Re-Enc

A re-enc DivX é um filme que foi retirado do VCD e re-codificado em um pequeno arquivo DivX . Mais comumente encontrados em compartilhadores de arquivos, estes são geralmente rotulados algo renomeados como Filme.Nome.Grupo(1of2), etc. São de baixa qualidade de som e imagem.

DVD-R

É a solução de gravação de DVD que parece ser o mais popular (do que DVD-RAM, DVD-R e DVD+R). Ele armazena 4,7 GB de dados de cada lado, e os discos de dupla face estão disponíveis, assim os discos podem armazenar cerca de 10GB em algumas circunstâncias. Imagens SVCD MPEG2 devem ser convertidos antes de serem queimados para DVD-R e executadas com sucesso. Cópias de DVD para DVDR são possíveis, mas, às vezes, extras e línguas têm de ser retirados para ficar dentro do 4,7 GB disponíveis.

DVDRip

Uma cópia do lançamento final do DVD . Se possível, é lançado PRE varejo (antes das vendas), novamente, apresentam excelente qualidade. DVDrips são lançados em SVCD e DivX/XviD.

DVD-SCREENER (DVDscr)

Mesmas condições do screener , mas com uma fonte de DVD. Normalmente letterbox , mas sem os extras que um DVD retail poderia conter. O ticker não costuma ficar nas faixas pretas, e pode atrapalhar a visão . Com habilidade, um DVDscr pode ser muito bom. Normalmente passado pra SVCD ou DivX/XviD.

Matroska (MKV)

MKV de Matroska “universal” Container é descrita por seus criadores como “o padrão extensível abrir Container de Aúdio/Vídeo”. Isso se traduz em um recipiente de multimídia projetado para suportar praticamente qualquer tipo de vídeo ou stream de áudio que você possa utilizar. MKV significa Matroska Video. O projeto em si é simplesmente chamado Matroska.

Ao invés de ser projetado em torno de capacidades de um formato particular, recipiente de Matroska simplesmente fornece uma estrutura para mesclar e interagir com áudio, vídeo e fluxos, até mesmo, de legendas. Vídeo comumente encontrada no contêiner Matroska inclui RealVideo, XviD, e mais recentemente AVC. Áudio varia de Vorbis (OGG) para MP3 ou mesmo o AC-3 áudio original a partir de um DVD. Arquivos Matroska, às vezes, têm uma extensão de MKA, indicando um único arquivo de áudio. Tipicamente codificado no formato Vorbis.

MiniDVD

MiniDVD/cDVD é o mesmo formato de DVD, mas em um padrão CDR/CDRW. Por causa das altas Resolução / bit-rates, é possível armazenar apenas cerca de 18-21 minutos de filmagens por disco, e o formato é compatível apenas com alguns aparelhos.

R5

R5 se refere a um formato específico de DVD lançado para Região 5 de DVD, da antiga União Soviética, e cópias contrabandeados destes lançamentos são distribuídas na Internet. Em um esforço para competir com a pirataria de filmes, a indústria do cinema optou por criar um novo formato para lançamentos em DVD que podem ser produzidas de forma mais rápida e menos dispendiosa do que lançamentos em DVD tradicionais. Lançamentos R5 diferem das versões normais em que eles são uma transferência Telecine direto do filme, sem qualquer processamento de imagem, comum em lançamentos em DVD, e sem quaisquer características especiais. Isso permite que o filme seja lançado para venda, ao mesmo tempo em que os DVD Screeners são liberados. Considerando que os DVD Screeners são a principal fonte de alta qualidade nos filmes pirateados, isto permite aos estúdios de cinema vencer os piratas no mercado. Em alguns casos, DVDs R5 podem ser liberado sem uma faixa de áudio Inglês, exigindo piratas utilizem áudio do do cinemas nos filmes. Neste caso, o lançamento pirata é marcado com “.LINE” para distingui-lo de uma versão com uma trilha de áudio do DVD.

A qualidade de imagem de uma versão R5 geralmente é comparável a um lançamento em DVD Screener, exceto sem a rolagem de texto adicionado e cenas em preto e branco que servem para distinguir screeners de lançamentos em DVD comerciais. A qualidade é melhor do que as transferências Telecine produzidos por piratas de filmes , porque a transferência é realizada utilizando equipamento de digitalização de filme de nível profissional.

SCREENER (SCR)

Um screener é fornecido de uma fita VHS, e está, geralmente, no formato 4:3 ( tela cheia ), embora screeners em formato letterbox (Widescreen, 16:9) são encontrados, às vezes. São usualmente obtidos de uma fita VHS prévia, enviada para locadoras e vários outros lugares, para uso promocional .

A principal característica negativa do screeners é um “ticker” ( uma mensagem que aparece na parte inferior da tela, com os direitos autorais e número de telefone anti-cópia ) . Além disso, se a fita possuir algum número de série, ou qualquer outra marca que possa denunciar a origem da fita, esses costumam ser escondidos, normalmente com uma marca preta por cima . Isso às vezes é apenas por alguns segundos, mas em alguma cópias, dura o filme inteiro e alguns podem ser bem grandes, dificultando a visualização.
Dependendo do equipamento usado, a qualidade do screener pode variar de excelente se for feita de uma cópia MASTER, até muito ruim se for feita em um video-cassete (VHS) velho por meio de um equipamento de captura ruim em uma fita copiada. A maioria dos screeners são transferidos para VCD, mas algumas distribuições em SVCD tem surgido, alguns parecendo melhor que outros.

SVCD

SVCD é um formato com base no MPEG2 (o mesmo do DVD), que permite taxas de bits variável de até 2500kbits com uma resolução de 480 × 480 (NTSC ), que é então descomprimido em uma proporção de 4:3, quando reproduzidas. Devido à taxa de bits variável, o comprimento que você pode ser armazenada em um único CDR não é fixo, mas geralmente entre 35-60 Mins é o mais comuns. Para obter uma melhor codificação SVCD usando taxas de bits variável, é importante o uso de vários “passes” . isso leva muito mais tempo, mas os resultados são muito mais limpos.

TELECINE (TC)

Uma máquina de telecine copia o filme digitalmente dos rolos. O som e a imagem costumam ser muito bons, mas devido ao equipamento e custos envolvidos telecine são muito raros. Geralmente o filme estará na proporção correta , apesar de serem encontrados filmes na proporção antiga (4:3). 

Obs.: TC não deve ser confundido com TimeCode, que é um marcador visível na tela durante o filme

TELESYNC (TS)

Um telesync tem as mesmas características de um CAM, só que usa uma fonte externa de áudio ( normalmente um fone de ouvido na poltrona para pessoas que não ouvem bem). Uma fonte de áudio direto não garante uma fonte de áudio de boa qualidade, como diversos sons de fundo podem interferir. Muitas vezes um telesync é filmado em um cinema vazio ou da cabine de projeção com uma câmera profissional, gerando uma melhor qualidade de imagem. A qualidade varia muito, verifique a amostra para conhecer a qualidade, pois a maior parte dos Telesyncs são CAMs que foram rotuladas de forma errada.

TVRip

TVrip são episódio de TV provindos a partir da rede (capturados principalmente de conjuntos de tv digitais a cabo ou satélite) ou PRE-AIR do satélite que envia os programas as redes alguns dias antes ( não contêm “marcações” , mas às vezes tem lampejos e outros problemas). Alguns contem cenas extras e legendas de teste .
PDTV é capturado a partir de uma placa PCI TV digital, geralmente obtendo melhor qualidade, os grupos tendem a lançar estes em SVCD.

VCD

VCD é um formato com base no MPEG1, com uma taxa de bits constante de 1150kbit em uma resolução de 352 × 240 (NTCS). VCDs são geralmente utilizados para transferências em qualidade inferior (CAM / TS / TC / Screener (VHS) / TVRip (analógico)) a fim de tornar os arquivos menores, e para caberem em único disco sempre que possível. Ambos os VCDs e SVCDs são cronometrados em minutos, em vez de MB, por isso quando se olha para um mpeg, este pode parecer maior do que a capacidade do disco e na realidade você pode armazenar 74min em um CDR74.

VHSRip

VHSRip são copias de VHS a venda, principalmente de vídeos de Skating, esportes e lançamentos para o público adulto, conhecidos também como XXX.

x264

x264 é uma biblioteca de software e aplicação livre para codificação de sequências de vídeo para o formato de compressão H.264/MPEG-4 AVC, e é distribuído sob os termos da licença GNU GPL.

XVCD/XSVCD

Estes são basicamente VCD/SVCD que não obedecem as “regras”. Ambos são capazes de resoluções e taxas de bits muito maiores, mas tudo depende do que o software de leitura do disco pode reproduzir. X(S)VCD são sem padrões, e são geralmente para cópias caseiras feitas por pessoas que planejam armazenar seus vídeos.

Watermarks (Marcas d’água)

Muitos filmes vem de Asian Silvers/PDVD (veja Asian Silvers/PDVD) e esses são marcados pelo pessoal responsável . Geralmente com uma Letra/Iniciais ou um pequeno logo, em um dos cantos da tela.

WORKPRINT (WP)

Um workprint é uma cópia de um video que não foi concluído. Podem estar faltando cenas, músicas, e a qualidade pode variar de excelente a muito ruim. Alguns WPs são diferentes da versão final e alguns tem cenas extras.

Fontes:Wikipedia, tamnn.wordpress.com (base e adaptação), videolan.org

Deixe sua opinião!